Madrid

Roteiro Portugal + Espanha parte 3: Madrid

Compartilhe!

Esse texto faz parte de uma série sobre um roteiro entre Portugal e Espanha. Na primeira parte, você encontra informações sobre Lisboa e Sintra e na segunda parte você pode ler sobre Barcelona e La Molina. Aqui, na terceira parte, vou contar para vocês sobre o roteiro de 3 dias em Madrid, que particularmente foi minha cidade preferida dessa viagem!

Como chegamos em Madrid

Como não havíamos comprado esse trecho aéreo, fizemos a reserva de Barcelona – Madrid (ida e volta) pelo site da Renfe. Particularmente, acho mais vantajoso fazer essa viagem de trem do que de avião pelo seguinte motivo: os trens são de alta velocidade e você encontra esse trecho com 2h30 a 3h10 de duração. Se você for parar para pensar, o avião parece mais rápido (cerca de 1h), mas se colocar na conta o deslocamento até o aeroporto (que costuma ser distante), do aeroporto ao hotel, chegar com 1h de antecedência… você perde completamente a economia de tempo que o avião proporciona! Além disso, as estações costumam ser muito mais centrais do que os aeroportos.

Importante: na Espanha é feita a conferência de bagagens pelo raio-x, assim como se faz em aeroportos. Recomendo que você chegue com pelo menos 40 minutos de antecedência em relação ao horário da partida para não perder sua viagem por conta da inspeção. As estações de trem principais são Barcelona – Sants e Madrid – Puerta de Atocha. Foi onde embarcamos e desembarcamos. [ATENÇÃO: não sei como estará a situação de checagem de bagagem e sobre a antecedência para chegar à estação no pós-pandemia.]

Compre sua passagem com a maior antecedência possível (quando a situação do mundo se normalizar)!!! Dei uma rápida pesquisada no site e encontrei passagens de cerca de 40 a cerca de 120 euros (em fev/2019). Quanto maior a antecedência, mais barato você encontrará o trecho. Se for viajar no período do inverno, a companhia solta as passagens mais em cima da hora, recomendo olhar o site diariamente. Eu comprei com mais ou menos um mês e meio de antecedência (viajei no inverno) e cheguei a pagar 75 euros no trecho de ida, mas na volta consegui a 40 euros. Olha o tamanho da diferença, especialmente quando a gente pensa na conversão para reais!

Hospedagem em Madrid

Ficamos em um hostal super confortável a agradável, o Woohoo Rooms Chueca. Apesar de estar em um prédio antigo, tem elevador e está em uma localização extremamente boa para passear e para fazer compras. Fica perto da Gran Vía, inclusive. Além disso, achei um bairro muito acolhedor, com uma cultura LGBT vibrante! Parece que estava rolando uma campanha sobre orgulho LGBT, dá uma olhada que lindeza de cidade:

Dia 8 – Centro histórico

Chegamos no hotel, deixamos nossas coisas e fomos em busca de um lugar para almoçar. O nosso anfitrião do hostal indicou o restaurante La Buha, onde comemos uma imensa tortilla por um preço ótimo. Fato engraçado: a gente não tinha a menor ideia do que era e como era uma tortilla, então pedimos uma pra cada um de nós (4 tortillas). A garçonete fez uma cara de surpresa e nos avisou que o prato pesava 1 QUILO, daí pedimos uma só. Olha o tamanho da criança ali no meio da mesa:

A tortilla é um prato típico espanhol, feito com ovos e batatas e por dentro há diversas opções de recheios. Nós pedimos uma de 4 queijos. A conta ficou em cerca de 36 euros, considerando uma tortilla de 1 kg, 2 sucos e 2 chopes.

Andanças e show de flamenco

Depois, nós andamos pela Gran Vía e nos dirigimos de metrô ao Palácio Real e Plaza de Oriente. Ao final, retornamos ao hotel para descansar um pouco porque à noite tínhamos um show de flamenco na programação.

Quanto ao show de flamenco, por indicação do site Viaje na Viagem nós escolhemos o espetáculo da Casa Patas. O preço indicado pelo site é de (informações de fevereiro de 2020):

  • 40 euros para adultos;
  • Gratuito para crianças até 5 anos;
  • De 6 a 12 anos, 20 euros;
  • De 12 a 16 anos, 24 euros.

Nesse valor está incluída uma bebida (pode ser alcoólica para os adultos) e uma bebida não-alcoólica para os menores.

Ficamos completamente extasiados com o show! Não é permitido filmar ou fotografar, por isso só tenho uma foto do palco para mostrar pra vocês. Acho que dá para perceber que o espaço é pequeno, com uma proposta intimista. Dá pra sentir o sapateado dos artistas vibrando até nós! Imperdível de verdade para quem aprecia música e dança! [Saudades de quando a gente podia aglomerar, né, minha filha?]

Dia 9 – Bairros e Museu do Prado

Passeio pelos bairros e pelo mercado de rua El Rastro

Acordamos e fomos passear no bairro La Latina, conhecido como o mais boêmio de Madrid. Passamos pela rua Cava Baja, mais tradicional corredor de barzinhos. Escolhemos ir no domingo porque é quando acontece o mercado de rua El Rastro. Para quem mora em Belo Horizonte, é como uma feira hippie da Afonso Pena, só que muito mais cheia. Encontramos uma grande variedade de produtos, novos e usados, industrializados e feitos à mão. Se você odeia aglomerações, não vá! Sério. [Pensando em quando uma coisa dessas vai poder acontecer de novo…]

Além disso, resolvemos ir para o bairro Las Letras depois, supostamente com a intenção de aproveitar um happy hour na Casa González. Fecha às 17h aos domingos e porque chegamos um pouquinho depois de 16h não era mais possível entrar.

Por esse motivo, trocamos de plano e fomos para o Brown Bear Bakery, que é tipo uma cafeteria. O lugar é muito fofo e a comida estava boa! No caminho entre um lugar e outro, nós tropeçamos sem querer na casa de Miguel de Cervantes.

Museu do Prado

A fim de continuar o nosso roteiro por Madrid, terminamos nosso café e descemos a pé para o Museu do Prado, que fica ali pertinho. É o museu mais importante da Espanha e um dos mais importantes do mundo. Conseguimos entrar de graça! O macete para isso é que nas 2 últimas horas do expediente do museu, os visitantes entram de graça. Mas atenção: é importantíssimo chegar cedo para ficar bem colocado na fila, porque chega um certo horário e eles não permitem mais entradas. Caso seja uma atração imperdível para você recomendo que você faça uma dessas duas coisas:

  • Deixe de pão-duragem e compre o ingresso normal com antecedência;
  • Ou então você pode programar vários dias para ir até o museu nessas 2 últimas horas e fazer a visita picadinha.

Como o museu é gigantesco, mesmo que você seja um dos primeiros da fila e entre rapidinho, você verá pouquíssima coisa e, além disso, vai ter que passar super rápido pelas obras — foi o que aconteceu com a gente!

Ao final, eu e meu irmão deixamos minha mãe e irmã no hotel e saímos andando por Madrid a pé durante à noite, mas logo voltamos para nosso quarto. Meu irmão experimentou kebab e achou uma delícia, além de ser uma das comidas mais baratas que se pode comer na Europa (dica para as pessoas econômicas!).

Dia 10 – Parque del Retiro e andanças

Continuando com o nosso roteiro, nesse dia nós fomos primeiro ao Parque del Retiro, que é enorme e é de graça para entrar! Andamos um pouco por lá antes de seguir para o próximo destino. No parque nós vimos muitas pessoas fazendo exercício físico, passeando com cachorros… É um ambiente muito agradável!

Depois, nós fomos para o bairro Malasaña, considerado o bairro alternativo de Madrid. No Viaje na Viagem foram indicadas duas ruas por lá boas de se fazer compras: calle Espiritú Santo e calle Fuencarral. Passamos por lá, mas não tivemos vontade de sair comprando e na verdade nem achamos que tinha tanta loja assim. Nós almoçamos uma comida deliciosa em um barzinho extremamente diferente e fofo que se chama Ojalá. Ficou 38,30 euros comida para 4 pessoas, com bebidas! Também amamos o preço! Eu escolhi um Mac and Cheese que estava uma delícia!